quarta-feira, 5 de julho de 2017

MAR A ESTE

Acordei com o mar a este, uma d
                                                   e
                                                   s
                                                   c 
                                                   i
                                                   d
                                                   a 
                                                   íngreme 
na direcção de montanhas profundas, a cabeça a doer. 
Teria sido um sonho? Não podia ter sido um sonho tal tristeza. Vagas de som rebentavam contra o meu peito pedregoso, cresciam-me mexilhões no peito, eu era uma rocha com o mar a este, subindo uma 
                                                   d
                                                   e
                                                   s
                                                   c
                                                   i
                                                   d
                                                  a 
                                                   íngreme na direcção de montanhas profundas. 
Estalactites no interior do crânio, o sangue a pingar do tecto onde os pés se enterravam como as mãos na areia quando buscam berbigão. 
Estava como sempre estive, só. Mas ouvia alguém dizer avança, dá o passo que falta, salta, deixa-te cair, acorda com o mar a este. 
Que significado tinha a palavra saudade naquele momento? 
Era uma palavra carnívora, era uma palavra canibal, eu era o alimento daquela palavra canibal. 

Lá, onde o mar a este 
descia íngreme 
na direcção de montanhas profundas.

Sem comentários: